Cordeone 

Loïc Da Silva

FraizeuhMagik2.jpg
 
 
Um acordeonista que jà identifiquei hà algum tempo. Original e Musical.
— Richard Galliano (no álbum Corleone & Arnaud Ciapolino duo de acordeões/flauta)

GERAL

Cordeone Loïc Da Silva é um artista independente, multi-instrumentista, cantor, compositor, arranjador e intérprete.  


Começou a música com 9 anos de idade nas festas portuguesas em França. Após 3 anos de aulas de acordeão com o professor José Freitas, estudou como autodidata os seguintes instrumentos : piano, viola, guitarra de fado, cavaquinho, bateria e baixo

Em 1998, professionaliza-se. 
Após ter trabalhado durante mais de 10 anos com artistas como : La ruda salska, Jah Mason, Turbulence, Norrisman, Big Joe Turner and his Memphis blues caravan (digressão internacional), Rauni, Tati Veras (Raiz do Sana), e mais... decidiu desenvolver sua própria música reflétindo sua identidade artística e humana.

Em 2005, partilha o palco do festival "Le Grand Soufflet" com Jean-Jacques Milteau e Les Pommes de Ma Douche.

Entre 2006 e 2008, ensina o acordeão na prestigiosa escola de Jazz à Tours (França).

 

 

CARREIRA

Vida, seu primeiro álbum, chega após 2 anos e meio de trabalho de composição, arranjo, escrita e de pré-produção. 

Nele compõe, escreve e interpréta um estilo de música muito diverso, painel do seu talento, misturando o jazz, o fado, a MPB, o funk, o reggae, o hip hop… respeitando sempre a raiz de cada género musical que aborda.

As letras são quase sempre cantadas em português mas também um pouco em francês e tratam dos problemas de sociedade de uma forma positiva. cada uma das suas canções têm uma mensagem de paz, de respeito e de unidade entre os póvos. São muitas vezes autobiográficas contando a sua própria visão da vida. 

Consegue o apoio de Escola de Jazz à ToursAcordeões Pigini, Acordeões Gadji, Propul'son, Thévenet Music… 

3 dias apenas após a chegada do seu primeiro álbum em janeiro 2011, atua no palco em abertura dos artistas Ben l'oncle soul, Danakil (La Nuit du Reggae), La Ruda Salska e foi escolhido para trabalhar com Cédric Kahn no seu filme "Une vie meilleure".

Em Julho de 2011, é o artista favorito do Festival "Terres du Son" e atua frente a um público de 10 000 pessoas partilhando o palco com Louis Bertignac, Patrice, Yael Naim, Aaron e Philippe Katherine.

 
 

Em abril de 2012, é programado no famoso festival do "printemps de Bourges".

Em 2013, grava um tema e um videoclipe com o Clyde Spencer (cantor mítico dos "The Drifters"), cria o trio AKOMA junto com a cantora lírica Maryse Pires Da Silva e o violinista do kossovo Lurian Yméri. Nasce o encontro musical do fado com a música dos Balkan.

Em 2015, prepara o seu segundo àlbum e colabora com artistas do mundo inteiro como: Lívia Mattos (acordeonista do Chico César), o guitarista mãnouche Emmanuel Kassimo e os Am Ketenes Swing, o percussionista indiano Teepu Khan, Itaparica Capoeira, e mais algumas aparições em diversos filmes.


Em 2016, acompanha os mestres da guitarra de fado, Mário Pacheco, Custódio Castelo, Luis Guerreiro, o seu amigo violista Rogério Ferreira e acompanha em palco o fadista Ricardo Ribeiro.


Em 2017 atua am palco com o seu trio Fado Mãnouche (com o qual està a gravar um disco) e vai para os E.U.A. ao encontro dos mùsicos de Nova Iorque onde atua com Forrò in the Dark no Lincoln Center em Manhattan.